Tags

, , , , , , ,

Você provavelmente já fez na escola aquela experiência de esfregar um pente na roupa ou no cabelo e aproximá-lo de pedaços de papel. Você sabe o que ocorre. O pente atrai de forma mágica os pedaços de papel.

Foto: Blog do Enem

Foto: Blog do Enem

Por que isto ocorre? Por causa da famosa eletricidade estática. Quando 2 materiais entram em contato, pode haver uma troca de partículas negativas (elétrons). Então quando os dois materiais se afastam, pode acontecer de um ficar carregado positivamente (menos elétrons) e o outro negativamente (mais elétrons). Porém o Universo gosta das coisas bem equilibradas e de alguma forma vai tentar neutralizar o objeto, levando seus elétrons a mais para a terra. Normalmente isto não é um grande problema, pois o próprio ar ajuda a conduzir estas cargas, tornando os objetos (ou seres vivos) eletricamente neutros novamente.

Bom, mas o que tudo isto tem a ver com este humilde blog de imigrantes brasileiros no Canadá??

Bem, o problema é que uma grande surpresa que os imigrantes têm ao vir morar aqui é a quantidade de choques que a gente leva. Na porta do carro, no computador, no carrinho do supermercado, nas maçanetas das portas, em tudo quanto é lugar. Nos meses de inverno, sem exagero, você leva uma dezena de choques a cada dia. É muuuuuuuuuito inconveniente isto. E não tem muito como escapar. Chegou o inverno… começam os choques.

Lembro que no Brasil às vezes até acontecia de eu levar um choque na porta do carro, mas era raro. Nada que chegasse a incomodar.

Mas aqui é irritante. E é algo que nem imaginamos quando pensamos em morar no Canadá.

E por que aqui isto acontece com mais frequência que no Brasil? Bom, voltando à explicação acima, lembra quando disse que o ar ajuda a descarregar os elétrons? O problema é que no inverno o ar dentro de casa ou do escritório fica extremamente seco por causa do aquecimento. E o ar seco, ao contrário do úmido, é um mau condutor de eletricidade. Os elétrons permanecem então no nosso corpo esperando ansiosamente para fugir para a terra.

Aí, você, inocente imigrante brasileiro(a), vai abrir uma porta e… leva um belo choque. Às vezes a carga é tão grande que dá pra ver um pequeno raio (faísca) entre sua mão e a maçaneta ou mesmo entre sua mão e a de outra pessoa (pois é, duas pessoas podem tomar choque ao se cumprimentar).

Foto: sjothiratnam.com

Foto: sjothiratnam.com

Não tem como evitar completamente os choques, mas dá para reduzir a incidência. Já percebi que a gente, já sabendo que vai tomar choque numa maçaneta, tende a tocá-la de leve, apenas com um dedo e repetidamente “para ver se vai dar choque”. Isto é pior, pois quanto menor a área de contato, mais intensa será a corrente que passará por ela. Então percebi que o melhor a fazer é respirar fundo, se preparar e ir com a mão cheia (ou com o braço). Com uma área de contato maior, o choque fica menos intenso.

Outra dica que dou é, por exemplo, quando você está trabalhando, procure sempre tocar objetos metálicos ou o computador para ir constantemente descarregando sua eletricidade estática e não deixá-la acumular.

Ao sair do carro, procure também encostar na parte metálica antes de abrir a porta (e com o braço, para aumentar a área de contato).

Estas medidas ajudam a reduzir a incidência e a intensidade dos choques. Vale a pena!

 

Anúncios