Coisas Práticas 3 – Trânsito

Tags

, ,

Nossa, faz muito tempo que não escrevo!

Nas últimas semanas estivemos muito ocupados com a reforma do nosso quintal e depois com a festa de 1 ano da Amanda.

Estes dias, voltando do trabalho, reparei em algumas coisas no trânsito que são extremamente práticas e que não existem ou não são comuns no Brasil. Aí vão alguns exemplos:

1 – Virar à direita no vermelho

Assim como nos EUA, aqui no Canadá é permitido virar à direita no semáforo quando ele está vermelho. É claro que você precisa primeiro parar e se certificar que não há risco e que não tem nenhum pedestre ou ciclista atravessando. Isto é super prático para desafogar o trânsito em um semáforo. O único lugar da América do Norte onde isto não é permitido é na cidade de Montréal. Talvez por causa da grande quantidade de ciclistas.

Fora de Montréal, se não houver nenhuma placa indicando a proibição, então é permitido virar no vermelho.

2 – Esta prática faixa central

LanRed4.jpg

Algumas avenidas têm esta prática faixa central. Ela serve para os dois sentidos e sua função é permitir ao motorista que quer entrar num comércio à esquerda ter um espaço para parar em segurança enquanto aguarda o momento para virar à esquerda.

Obviamente não é permitido circular nesta faixa, ela serve apenas para esta transição. Também serve para o inverso: se você está saindo de um comércio e quer pegar a faixa do outro lado da rua. Você não precisa esperar parar de vir carro nos dois sentidos. Basta que não venha carro à esquerda. Você então embarca nesta faixa central e espera o momento de enfim pegar a faixa de circulação à sua direita.

Interessante né? Fico imaginando isto em São Paulo. Aposto 100% que viraria uma faixa de moto.

3 – 4-way Stop

É a placa de pare nos 4 lados de um cruzamento. A regra é simples. Tem a preferência quem chegou primeiro.

Aqui tem muitas placas de pare, quase em todos os cruzamentos. Isto é um pouco irritante, até porque você é obrigado a parar 100%. Não vale aquele “parandinho” brasileiro. Então fica um anda e para danado dentro da cidade.

Mas lembro bem de um episódio dos Caçadores de Mitos, do Discovery, em que eles fizeram um experimento para testar qual método era mais eficiente para dar fluidez num cruzamento: semáforo, rotatória ou 4-way Stop. E, surpreendentemente, ganhou a placa de pare!

4 – Virar à esquerda no semáforo

Uma coisa que me irritava muito em São Paulo é que lá nunca é permitido virar à esquerda num cruzamento. Você é obrigado a dar uma volta no quarteirão para poder pegar a transversal.

Aqui é praticamente sempre permitido virar à esquerda, mesmo em enormes avenidas com 4 faixas de cada lado. Basta dar a seta e esperar uma folga no trânsito que vem no outro sentido.

5 – Estacionamento do Costco

O estacionamento do Costco é o melhor do mundo. As vagas são enormes e ainda por cima são separadas por duas faixas, o que dá um espaço suficiente para abrir toda a porta sem bater no carro ao lado.

stationnement-du-costco-toujours-plein

Ainda evita os “distraídos” que ocupam duas vagas.

Bom, por hoje é isso.

Até o próximo!

Hábitos que passamos a ter no Canadá

Tags

, , ,

Morar em outro país nos faz mudar também nossos hábitos. Esta semana estava pensando como alguns hábitos que nunca tivemos, aqui passamos a ter. Vejam alguns exemplos (certamente mais tarde lembrarei de outros e terei que fazer a 2a edição do post).

Cortar/pintar o cabelo em casa: lembro quando no Brasil eu ia num cabeleireiro que cobrava R$ 5. Sim, CINCO REAIS. Aqui varia muito, mas eu diria que no cabeleireiro o corte masculino deve custar uns 15 dólares. Não é nenhuma fortuna. Mas você tem que adicionar 15% de imposto e mais 15-20% da caixinha. Já dá uma turbinada nos custos. Só que pelos mesmos 15 dólares você compra uma máquina de cortar cabelo. hummmm

Resultado: a Camila virou a cabeleireira da casa!

Com as mulheres já é mais complicado cortar em casa. Eu até me ofereço voluntariamente para cortar o cabelo dela, mas por uma razão que desconheço ela nunca deixou. Mas pintar já é algo mais Do-It-Yourself.

Estratégia de Compras: no Brasil tínhamos o hábito de ir sempre no mesmo supermercado, o que achávamos mais barato mas ao mesmo tempo limpo.

Aqui é diferente e vocês já puderam constatar em diversos posts aqui do blog. Primeiramente, usamos muitos cupons de desconto. Segundo, antes de sair para as compras, sempre olhamos com cuidado todas as ofertas nos jornais dos mercados (chamados de circulares) e traçamos uma estratégia para cada item, pois sempre tem promoções bombásticas todas as semanas. E, em terceiro lugar, para evitar ficar indo de mercado em mercado buscando as promoções, vamos no mais barato e levamos os jornais. Aí eles igualam os preços dos concorrentes.

Embalagens enormes: ainda parte da estratégia de compras, vale lembrar que agora temos o hábito de comprar embalagens enormes também, para economizar. Alguns produtos são absurdamente maiores que no Brasil. Acho que vou fazer um post só sobre isso.

Fazer faxina: lógico que nosso apartamento no Brasil era limpinho, mas era alguém que limpava pra gente. Aqui nós mesmos fazemos a faxina de casa.

Previsão do tempo: não que no Brasil não olhássemos a previsão do tempo, mas aqui, nossa! Toda hora temos que ver. Frio, calor, neve, chuva, verglass (chuva congelada), ventania, +40 graus, -40 graus, pode acontecer de tudo. E como dentro de casa é sempre quente, você não tem noção do quão frio está lá fora. E, se você errar de blusa, pode até ter uma hipotermia! Então, no Canadá, não saia de casa sem ver a previsão do tempo!

Deixar casa ou carro abertos: aqui não tem essa neura de trancar tudo. É normal deixar a porta de casa aberta durante o dia. O carro destrancado e com os vidros abertos. Às vezes vou dormir e lembro que o carro ficou aberto. Nem me preocupo e deixo aberto mesmo durante a noite.

 

Bom, por hoje foi isso que lembrei, mas vou lembrar de outros.

Também vou depois fazer um post sobre hábitos que deixamos de ter depois de mudar pra cá.

Até o próximo post!

Melhores Cidades do Canadá

Tags

, , , ,

Esta semana a Money Sense, uma importante revista de finanças e estilo de vida, publicou o seu ranking 2017 de melhores cidades para se viver no Canadá.

São 5 categorias:

Melhores cidades para se aposentar

Melhores cidades para criar os filhos

Melhores cidades para novos canadenses (imigrantes)

Melhor clima

Impostos mais baixos

Além do ranking geral.

E, para nossa surpresa, nossa pequena cidade, Saint-Constant (subúrbio de Montréal), aparece em 4o lugar de melhores cidades do Canadá para criar os filhos! Uau! Nosso pequeno oasis tem apenas 25 mil habitantes e é uma das melhores cidades do Canadá para famílias!

Os critérios são: segurança, renda familiar, % de crianças, atividades oferecidas pela prefeitura, parques e opções de lazer, quantidade e qualidade das escolas, quantidade e custo de creches, entre outros.

Interessante também que todas as 6 primeiras e a grande maioria da lista estão no Québec, incluindo praticamente todas as cidades da nossa região (Rive-Sud de Montréal).

Puxa, sem querer acertamos em cheio!

constant

Outono em Saint-Constant

Amamos nossa pequena cidade. O céu aqui é tão bonito!

E viva Saint-Constant!

Aliás, diga-se de passagem, tem cada vez mais brasileiros comprando casa aqui.

E você, que critério é mais importante para escolher a cidade onde vai morar no Canadá? Veja os rankings da Moneysense e escolha a sua cidade!

Link para o ranking de melhores cidades para criar os filhos: clique aqui.

Link para todas as categorias: clique aqui.

Canadá 150 Anos!

Tags

, , , , , ,

Hoje o Canadá faz 150 anos!

Foi em 1 de julho de 1867 que foi proclamado o Ato da América do Norte Britânica, que unia 3 colônias em 1 só, que foi denominada Canadá.

Foi uma espécie de semi-independência, que hoje em dia é comemorada como o Dia do Canadá. Apesar de não ser uma independência completa do império britânico, este ato marcou um primeiro importante passo, dando algumas autonomias políticas ao novo país.

O Canadá foi então ao longo dos anos conquistando outros avanços em direção à independência, até que somente em 1982 o país ganhou sua total independência da Inglaterra, através do Ato Constitucional de 1982, assinado pela Rainha Elizabeth II e o então Primeiro Ministro do Canadá Pierre-Elliot Trudeau (que é o pai do atual premiê, Justin Trudeau).

Trudeau no Canada Day de hoje

Justin Trudeau no Canada Day de hoje (foto: instagram do Trudeau)

O Ato de 1982 deu total independência ao Canadá (imagine só, apenas 35 anos atrás!). Porém a Rainha Elizabeth II continuou como Monarca do Canadá, até hoje.

Foi também em 1 de julho, mas de 1980, que foi lançado o hino oficial do Canadá, um hino curto, mas muito bonito. Vejam a letra (tradução em seguida):

O Canada! Our home and native land!
True patriot love in all thy sons command.
With glowing hearts we see thee rise,
The True North strong and free!
From far and wide, O Canada,
We stand on guard for thee.
God keep our land glorious and free!
O Canada, we stand on guard for thee.
O Canada, we stand on guard for thee.

Tradução:

Oh Canada! Nossa casa e terra natal!
O verdadeiro amor patriota em teus filhos ordena.
Com corações iluminados, vemos-te progredir,
O Norte Verdadeiro forte e livre!
De longe e em qualquer lugar, Oh Canada,
Estamos em guarda por ti.
Deus guarde nossa terra gloriosa e livre!
Oh Canada, estamos em guarda por ti.
Oh Canada, estamos em guarda por ti.

Horta em Casa

Tags

, , , , , , ,

Quando chega a primavera, os canadenses correm para fazer suas hortinhas em casa. Muita gente tem. Este ano fizemos nossa primeira horta aqui em casa também.

E dá para plantar no Canadá?

Dá, porém só a partir de maio e as hortaliças só duram até o final de setembro. Depois elas morrem e no outro ano você começa tudo de novo.

nossa horta

nossa horta

Para poder aproveitar a horta por mais tempo, é preciso comprar as plantas em muda. Plantar semente não é muito aconselhável. Você corre o risco de não conseguir colher a tempo.

Dá para plantar de tudo, porém, como disse, a cada ano tem que replantar pois todas as hortaliças morrem no inverno. Na nossa horta tem pimentão, alface, cebola, cebolinha, salsinha, manjericão e tomate. Tudo a pleno vapor. Esta semana fizemos a primeira colheita. Vejam a foto abaixo:

alface e tomate

alface e tomate

Os canadenses gostam tanto de ter sua própria horta que mesmo quem não tem um quintal pode ter sua própria hortinha. Aqui é muito comum, principalmente nas grandes cidades, as prefeituras disponibilizarem terrenos para as pessoas do bairro plantarem suas próprias hortaliças. São os jardins comunitários. Você aluga um pedaço do terreno por toda a temporada (preço simbólico, uns 20 dólares) e pode plantar o que quiser. Isto é muuuito comum em bairros em que muitas pessoas moram em apartamentos.

(Obrigado Melissa pelo toque. Já ia esquecendo de mencionar as hortas comunitárias.)

jardim no Plateau (crédito: histoirplateau.org)

horta comunitária no Plateau (crédito: histoirplateau.org)

E árvores frutíferas, dá para ter no Canadá?

Até dá, porém são pouquíssimas frutíferas que sobrevivem ao inverno. Por aqui só é possível ter macieira, pereira, parreira (uva), cerejeira, blueberry, framboesa e blackberry. Infelizmente é só o que dá por aqui. Todas as outras frutas são importadas.

Temos uma macieira no nosso quintal. Plantamos no ano retrasado e este ano pelo jeito vai dar a primeira produção! 🙂

brotinho de maçã nascendo

brotinho de maçã nascendo

Estou muito empolgado com a nossa horta este ano!

Recomendo fortemente a qualquer um ter uma horta em casa.

Até o próximo post!