Aposentadoria e Economia de Impostos

Tags

, , , , , , , , ,

Olá pessoal. Um Feliz 2020 para todos!

Para comemorar o ano novo e retomar os posts, aqui vai um tema de interesse geral e que eu ainda não tinha falado muito: aposentadoria.

Assim como no Brasil, aqui existe a aposentadoria pública e a privada.

A aposentadoria pública é quebrada em 2 partes, a federal e a provincial. E ela é do tipo capitalização, ou seja, o que você vai receber é baseado no valor que você contribuiu durante os anos de atividade. E como a contribuição obrigatória é pequena, ao aposentar você não terá uma grande renda só com a previdência pública. Então não é bom contar só com ela para o futuro.

Entretanto, o governo oferece incentivos fiscais para você fazer uma aposentadoria privada. E isso pode ser muito vantajoso! Existem alguns tipos de incentivo, mas os principais são estes 2. São contas-investimento oferecidas em qualquer banco.

A primeira se chama Conta-Investimento Livre de Impostos (conhecida pela sigla CELI em francês ou TFSA em inglês).

Nesta modalidade, você pode fazer vários depósitos durante o ano, até um certo limite anual (que é igual para todo mundo e varia entre 5 e 6 mil dólares por ano, dependendo do índice de inflação). Você vai acumulando dinheiro neste fundo e, na hora que você quiser se aposentar (não existe idade mínima), pode sacar o valor que quiser por mês. E a característica principal é que não incidirá imposto no momento do saque. Mas é claro que você já pagou imposto antes, quando recebeu esse dinheiro que você depositou.

A segunda conta e, na minha opinião, a mais vantajosa é o REER (RRSP em inglês) – Regime Registrado de Economia e Aposentadoria.

Este é como o contrário do CELI. Você paga imposto ao retirar o dinheiro no futuro, mas, em contrapartida, o governo te devolve agora o imposto de tudo o que você investir no REER.

Alguém poderia pensar: “ah mas no fundo tanto faz pagar o imposto agora ou depois”. Na verdade não, porque a taxa que você paga agora sobre seu salário é maior do que a que você pagará depois na aposentadoria. Então no final você terá economizado uma boa grana em impostos. E mesmo que o imposto fosse o mesmo, é melhor pagar mais tarde, quando você terá, teoricamente, menos despesas, do que no começo, quando você está construindo sua vida.

Por exemplo, digamos que você ganha 80 mil dólares por ano. Seu imposto de renda será em torno de 26% (para alguém no Québec, por exemplo), combinando todas as faixas do Federal e do Provincial. E o imposto marginal é de 37% (imposto sobre a última faixa da sua renda). Quando você faz um depósito no REER, o governo te restituirá o imposto pago, começando pela última faixa. Então digamos que você deposite 5 mil dólares. O governo te devolverá $1850 para você fazer o que quiser!

“Ah mas depois, na aposentadoria, eu vou ter que pagar o imposto novamente.”

Sim, é verdade, mas você pagará bem menos! A taxa depende do valor do saque. Varia entre 10 e 30%.

Para saques de até $5000/ano, o imposto é de 10%.

Entre $5000 e $15000, a taxa é de 20%

Acima de $15000, 30%

No Québec, como sempre, os impostos são diferentes. Para estas mesmas faixas as taxas totais (federal + provincial) são 20%, 25% e 30%.

Assim, no exemplo acima, os mesmos $5000 dólares (no Québec) pagariam um imposto de $1000 no saque, versus $1850 que você economizou anos antes! É muita diferença! Mesmo na taxa mais alta (30%), você ainda economizaria $350 de impostos nestes $5000 aplicados! Agora imagine que você junte durante a vida $500 mil no REER. Você economizará no mínimo $35 mil de impostos! Fora que o imposto que você recebeu de volta no começo você pode investir também e obter juros sobre ele.

O governo limita as contribuições para o REER em até 18% da sua renda anual. Então a pessoa que ganha $80 mil no exemplo acima, pode depositar até $14400 por ano no REER. Mas digamos que a pessoa não consiga guardar tudo isso e só aplique $4400. Então os $10 mil restantes são transferidos ao limite do ano seguinte. A pessoa poderá então aplicar $24400 no ano seguinte, se quiser.

Por fim, outra vantagem é que o dinheiro não fica “preso” até sua real aposentadoria. Numa emergência você pode sacar a qualquer momento, porém pagará o mesmo imposto que o governo te devolveu anteriormente (se sua renda anual continuar a mesma). Mas você não perde nada.

E quanto ao rendimento?

O interessante é que tanto o CELI quanto o REER podem ser aplicados em qualquer carteira de investimentos, à escolha da pessoa. Basta estudar as opções de investimento do seu banco e escolher uma para aplicar seu REER ou CELI (não é o governo que paga os juros, como no caso da Poupança ou do FGTS no Brasil). Aí você pode escolher investimentos mais conservadores, moderados ou mais agressivos para o seu fundo de previdência privada.

Bom, existem muitos detalhes, mas isto é o principal. Recomendo muito você sempre tentar salvar uma parte da sua renda num REER. Vale muito a pena!

Até o próximo post e Feliz 2020!

Palestra para futuros imigrantes

Tags

, , , ,

Bom dia, pessoal!

Nosso blog está completando 6 anos e neste tempo todo recebi muitos e muitos pedidos de pessoas querendo nos encontrar pessoalmente ou por Skype para tirar dúvidas e saber como é a vida no Canadá.

Infelizmente são centenas de pedidos e não tenho tempo para atender cada um.

Mas estive pensando se não seria legal reunir um grupo de pessoas numa sala ou auditório aí no Brasil e compartilhar nossas experiências, tirar dúvidas e contar para todos como é viver no exterior, especialmente neste incrível país que é o Canadá.

Então montei esta pequena enquete para saber quem estaria interessado e o que gostaria que fosse abordado neste encontro.

Vocês podem por favor responder estas 5 perguntinhas?

Muito obrigado!

CLIQUE AQUI para responder à enquete. (Uma nova janela abrirá)

Renovando a Hipoteca

Tags

, , , , ,

Há 5 anos escrevi o post Hipoteca no Canadá. Se você ainda não leu, leia-o antes deste para entender como funciona a hipoteca, que é bem diferente do financiamento de um imóvel no Brasil.

Quando você faz uma hipoteca, você pode escolher diversas variáveis:

  • Período de amortização: geralmente começa em 25 anos
  • Duração do contrato: em média, 5 anos
  • Tipo de contrato: aberto, fechado (leia o post Hipoteca no Canadá)
  • Tipo de juros: fixo ou variável (leia o post Hipoteca no Canadá)
  • O banco

Dependendo das suas escolhas, o banco te oferecerá uma taxa de juros, que pode ser entre 2.59% e 7% mais ou menos. Normalmente as pessoas fazem contratos de 5 anos, fechados e com juros fixos. Esta configuração geralmente resulta em juros entre 2.59 et 3.49% ao ano, dependendo do banco.

Isto significa que em geral os canadenses precisam renovar suas hipotecas a cada 5 anos. Isto é bem útil, pois você pode aproveitar a oportunidade para negociar com outros bancos e com o seu próprio e tentar obter taxas mais baixas. Se outro banco tiver uma taxa melhor, você muda para ele no final do seu contrato. O único problema de mudar de banco é que você terá que pagar um notário para fazer a transação. E o serviço custa cerca de mil dólares. Então você tem que fazer as contas para ter certeza que a diferença nos juros compensa este custo extra. Porém muitos bancos oferecem para pagar o notário caso você mude para eles.

Outra coisa interessante é que, digamos que seu primeiro contrato foi de 5 anos com amortização em 25. Você não fez nenhum pagamento além das prestações normais. Isto significa que depois dos 5 anos do contrato, restam 20 anos para pagar, se mantida a taxa de juros, valor e frequência das prestações. Porém, ao renovar o contrato, você pode mudar o período de amortização novamente. Se aumentar de novo para 25 anos, suas prestações ficam menores (porém o custo do empréstimo no final terá sido maior). Ou você pode reduzir o período de amortização para quitar mais rápido aquela dívida. Digamos que você está agora com um salário melhor e consegue aumentar suas prestações. Então você pode fazer o novo contrato com 15 ou 10 anos de amortização, por exemplo.

Tudo é muito flexível e dá muito poder de negociação para o cliente.

Seu poder de negociação só fica ruim se no momento da renovação, você estiver sem emprego ou num emprego de salário mais baixo. Talvez isto dificulte sua negociação com outros bancos. Aí neste caso é melhor ficar no mesmo.

Quando seu contrato está perto de vencer, o banco manda uma carta avisando e fazendo uma oferta. Ele te dá todas as configurações de contrato possíveis e as taxas de juros correspondentes e, consequentemente, o valor das parcelas. Se quiser continuar no mesmo banco, basta responder escolhendo como quer que seu contrato passe a ser. Mas mesmo continuando no mesmo banco, vale a pena ligar e pedir uma taxa de juros mais baixa. Geralmente eles baixam.

Esta carta do banco chega 1 mês antes do final do contrato. Porém, isto é muito pouco tempo caso queira mudar de banco. Então se for o caso, é bom começar a pesquisar e contactar outros bancos uns 4 ou 5 meses antes.

Nós estamos neste momento renovando a nossa hipoteca e vamos mudar de banco. Pagávamos 2.99% de juros e consegui 2.59% em outro banco! Muito melhor!

Veja que estes juros são anuais e não existem outras taxas ocultas. Então o custo do empréstimo é muito barato. Em geral não compensa você trazer dinheiro do Brasil para comprar casa aqui. Você ganha mais deixando o dinheiro lá do que paga em juros aqui.

Por fim, uma coisa curiosa é que se você tiver um bom histórico de crédito, o banco tentará te emprestar mais do que você precisa. Digamos que você deve 60% do valor da sua casa. O banco tentará te oferecer 80% do valor da casa em empréstimos, sendo 60% para a hipoteca e os outros 20% em forma de linha de crédito, para você comprar o que quiser, mas com uma taxa de juros próxima da hipoteca. Isto porque esta linha de crédito também estará ligada à sua casa, isto é, se você não pagar o empréstimo, o banco toma sua casa.

Acho genial como funcionam as hipotecas aqui. Isto dá muita liberdade para as pessoas negociarem. Você pode mudar o tipo de contrato caso seus planos para o futuro mudem, ou sua situação financeira, ou ainda a situação do mercado também.

Mandem seus comentários ou perguntas.

Atá o próximo!

Votando pela primeira vez

Esta semana ocorreram as eleições federais no Canadá. E pela primeira vez eu pude votar. E votei.

Como já mencionei em outras ocasiões, o Chefe de Governo no Canadá é o Primeiro Ministro. E a eleição dele é indireta. Nós não votamos diretamente no candidato a Primeiro Ministro. Nós votamos no candidato a deputado da nossa circunscrição (zona eleitoral). Cada circunscrição elegerá um dos 338 deputados.

O partido que eleger o maior número de deputados fica com o cargo de Primeiro Ministro, que é atribuído ao chefe daquele partido.
A votação é no papel mesmo. Uma cédula com os candidatos da sua circunscrição. Você faz um X e pronto.
O voto não é obrigatório e a eleição normalmente é numa segunda-feira, que não é feriado. Entretanto, é possível votar por antecipação por duas semanas antes do dia da eleição, num local específico de cada zona. Foi o que eu fiz, aliás. Também é possível votar pelo correio.
O voto, como disse, é facultativo. Porém, para votar é preciso se inscrever pela internet. Você então recebe em 2 dias um cartão confirmando a inscrição e os locais e datas para votar. Aí basta escolher o que convém mais para você e ir votar.

Apesar do voto ser no papel, o resultado sai no mesmo dia da eleição, em poucas horas.

Este ano foi reeleito o Primeiro Ministro Justin Trudeau, do Partido Liberal, que obteve 157 das 338 cadeiras. O Partido Conservador, segundo colocado, obteve 121. Apesar de ser vencedor, o Partido Liberal não obteve a maioria (>170) das cadeiras. É o que se chama de governo minoritário. Isto significa que Trudeau terá um mandato mais complicado do que o último, quando tinha a maioria das cadeiras. Para governar, precisará do apoio dos partidos pequenos para obter maioria na Câmara. Geralmente os governos minoritários não chegam a completar 4 anos de mandato. É quase certo que Trudeau convocará novas eleições antes de chegar no final do mandato. Provavelmente perto da metade.

É isso. Achei bem legal poder participar do futuro do Canadá!

Até o próximo!

Tipos de Leite e Creme

Tags

, , , , , , , ,

Está aí um assunto que ainda não abordei no blog: os infinitos tipos de leite que existem no Canadá.

No Brasil basicamente existe o leite desnatado, semi-desnatado, integral, em pó e creme de leite. Aqui é um pouco diferente, sobretudo porque existem muitos outros tipos também.

Leite de beber

A primeira diferença que a gente nota na primeira vez que vai comprar leite é que aqui não existe leite longa vida! Os leites daqui são pasteurizados mas não UHT, o que na verdade é bom, porque ao mesmo tempo que o tratamento UHT mata todas as bactérias, destrói também boa parte dos nutrientes do leite.

A venda do UHT não é proibida, mas não existe aqui por questão cultural mesmo. Então os leites são vendidos frescos, no refrigerador, e só duram alguns dias.

Tem até leite de saquinho

Tem até leite de saquinho

Em seguida, os leites são classificados pelo nível de gordura e identificados pela porcentagem de gordura e por cor da embalagem.

0% (azul claro): é o equivalente ao que chamamos de leite desnatado

1% (roxo) e 2% (azul): dois “níveis” de leite semi-desnatado

3.25% (vermelho): é o que chamamos de leite integral

Curiosamente, quase não existe leite em pó. Até já vi, mas é muito raro e só se vende em um saco enorme.

 

Cremes

Creme de café: leite com 10% de gordura, usado para colocar no café

TODOS os canadenses colocam isso no café

TODOS os canadenses colocam isso no café

Creme para cozinhar: ainda mais gordo, 15% ou 18%, muito usado em sopas cremosas

Creme para bater: 35% de gordura! É o equivalente ao que chamamos de creme de leite

O exato equivalente ao creme de leite é esse

O exato equivalente ao creme de leite é esse

Heavy cream: 46-48% de gordura! Usado para fazer sorvetes, por exemplo.

Sour cream (creme azedo): vendido em diferentes níveis de gordura também, ele tem lactobacilos que o tornam azedo. Muito usado na culinária em molhos, cream cheese, estrogonofes, etc.

sour

 

Outros tipos de leite

Leite evaporado: este é interessante. É o leite com 60% menos de água, que foi, é claro, evaporada. Ele fica naturalmente muito mais cremoso e pode ser usado como creme de leite em muitas receitas, com a vantagem de ser menos calórico, menos gorduroso e mais rico em proteína. Também chamado de “leite condensado sem açúcar”.

Leite evaporado

Leite evaporado

Leite condensado: exatamente como conhecemos no Brasil, porém, para não confundir com o leite evaporado, geralmente é chamado de “leite condensado com açúcar”.

Leite sem lactose: muito comum devido à alta taxa de pessoas com alergia.

Leite microfiltrado: leite mais rigorosamente filtrado, o que remove mais bactérias depois da pasteurização, sem que passe pelo processo de alta temperatura (UHT).

Leites de amêndoa, de castanha e outros: agora eles não podem mais ser chamados de “leite” no Canadá porque… não são leite. Uma lei agora proíbe a palavra “leite” na embalagem destas bebidas.